McDonnell F3H2 Demon, Hobby Boss, 1/48

30 de novembro de 2014 0 Por admin

O infortunado McDonnell F3H Demon chegou tarde demais para lutar no conflito coreano e, felizmente, foi retirado do serviço ativo meses antes do efetivo envolvimento das forças norte americanas na Guerra do Vietnã. Teve uma vida turbulenta , efêmera, sem brilho, acumulando problemas de motorização, sendo renegado por seus pilotos, mecânicos e por muito pouco não levou seu fabricante à bancarrota. 

Por Guilherme Castro

 

A US Navy (Marinha dos Estados Unidos) deu sinal verde ao projeto no ano de 1949, visando a substituição do McDonnell F2H Banshee. Com o início da Guerra da Coréia (1950-1953), a Marinha queria desesperadamente um interceptador para fazer frente aos MiG-15, pois o Banshee e o Grumman F9F Panther estavam relegados a função de ataque, dado a sua limitada velocidade e performance. Foi um projeto que começou errado, dada a extrema urgência em dotar a aviação naval de um interceptador tão bom ou melhor que o North American F-86 Sabre da United States Air Force (Força Aérea dos Estados Unidos).

Para se ter uma ideia da situação, a produção do McDonnell F3H Demon havia sido ordenada antes mesmo do voo do protótipo, que foi realizado em agosto de 1951 tendo nos controles o piloto de testes Robert Edholm. Seu tamanho e aparência o tornavam uma visão impressionante, com o seu nariz curto, entradas de ar laterais e a inconfundível “Beaver Tail- cauda de castor. Mas para decepção geral, a esperança depositada no motor Westinghouse J40 mostrou ser uma aposta errada. Este só produzia a metade da potencia prometida e pior, era complexo e nada confiável. Das 35 primeiras unidades produzidas e motorizadas pelo W-J40, oito se envolveram em trágicos acidentes, ocasionando a morte de quatro pilotos. O Congresso dos EUA abriu uma rigorosa investigação, depois de 21 aeronaves saírem direto da linha de montagem para serem usadas como “aviões estáticos” para instrução de mecânicos, acarretando um prejuízo (na época) de US$ 200 milhões aos contribuintes. Mesmo assim o projeto continuou, sendo a situação resolvida parcialmente com a adoção do motor Allison J71, que mesmo não sendo o ideal, deu uma sobrevida ao Demon. Algumas modificações foram feitas, como por exemplo a retirada de dois, dos quatro canhões Colt MK 12 de 20mm para aliviar o peso e a transformação deste em plataforma interceptadora com mísseis, tais como os novíssimos Raytheon Sparrow e Sidewinder.

A produção foi encerrada no ano de 1959, com um total de 519 unidades produzidas em todas as versões, sendo exorcizado definitivamente do inventário da US Navy no início de 1964. Seu único legado foi servir de base para o modelo F3H-G/H chamado de “Super Demon”, que viria ser o futuro F-4 Phantom II, que foi um grande sucesso, com mais de cinco mil unidades produzidas e que dominou os céus por mais de 25 anos.

 

F3H-2 Demon,  1/48

Foi uma grata surpresa a chegada deste kit no mercado, pois até então, somente o modelo da EMHAR na escala 1/72 estava disponível aos amantes de aviões embarcados. E a Hobby Boss caprichou, apresentando uma espetacular reprodução deste pouco conhecido caça naval, em resistente embalagem com uma colorida “Box Art” mostrando o F3H-2 Demon do VF-31 (Felix The Cat) decolando de um navio aeródromo. Com o código nº 80364 o kit é composto de aproximadamente 218 peças bem moldadas e sem marcas de injeção, distribuídas em sete árvores embaladas individualmente em saquinhos plásticos, na cor cinza claro e estampadas em baixo relevo. As partes transparentes são protegidas por espuma (evitando riscos) e embaladas separadamente, juntamente com uma folha de photo-etched com 10 peças. As instruções estão especificadas em 17 etapas, culminando com o esquema de pintura e decorações com decais, à cores, em impressão de primeira qualidade.

Em conformidade com o manual de instruções, inicia-se a montagem pelo cockpit, que faz conjunto com a parte dianteira do kit, pois a parte traseira da fuselagem é montada à parte. O painel de instrumentos e consoles laterais são em alto relevo, permitindo sua pintura, mas o modelista pode, também, optar por usar os decais que acompanham a folha de decoração. O assento é composto por nove peças, que dão um belo realce ao conjunto que forma o interior, sendo apenas preciso a adição dos cintos de segurança em metal. Os porões de rodas são bem definidos, sendo opção enriquecer o trabalho de detalhamento com a respectiva fiação. O escape do motor é completo e finamente moldado com excelentes detalhes, já os freios aerodinâmicos laterais são complementados com a adição das peças estampadas em photo-etched, dando um realismo especial se forem montados aberto. Os flaps e ailerons são moldados separadamente e as asas podem ser montadas retas ou dobradas, bastando cortá-las nos locais indicados no interior das respectivas peças. As hastes dos trens de pouso e rodas são detalhadas, não apresentando excesso de plástico ou emendas, desobrigando o trabalho exaustivo e cuidadoso de lixamento. O leme vem separado da fuselagem e os estabilizadores horizontais podem ser posicionados conforme a vontade do modelista.

Complementando, os pilones externos podem ser usados para os dois tanques de combustível ou para o armamento, composto de mísseis ar-ar AIM-7C ou AIM-9B. A decoração permite reproduzir o kit dos esquadrões VF-31 “Felix The Cat”, VF-213 “Black Lions”, VF- 61 “Jolly Rogers” e VF-21” Freelancers”. Em resumo, trata-se de um kit de alto nível e bem moldado, representando esta aeronave problemática e pouco conhecida, mas que por servir de plataforma para o futuro F-4 Phantom II, merece destaque em qualquer galeria de modelos.