Convair F-102A Delta Dagger, Meng, 1/72

21 de dezembro de 2014 0 Por admin

Por Guilherme Castro

Nos últimos meses da 2ª Guerra Mundial os aliados já tinham constatado que a Alemanha estava muito à frente nas pesquisas aerodinâmicas. Com o espólio de plantas e projetos capturados das fabricas Horten, Heinkel e Lippish a empresa norte-americana Consolidated Vultee Aircraft Corporation, popularmente conhecida como Convair, foi agraciada com um contrato no mês de setembro de 1945, para construir um protótipo em configuração Delta, visando atingir a velocidade Mach 1.2 (1.470 km/h). O resultado foi o XF-92, que fez seu primeiro voo em janeiro de 1948, evoluindo até o modelo XF-92A, que por deficiência de motorização, atingiu apenas Mach 0,95 (1.163 km/h). Em 1950 a companhia Hughes Aircraft venceu a concorrência para o inovador Sistema de Tiro Integrado Semi Automático Para Interceptadores. A Convair apresentou o Model 8, que nada mais era que a versão alongada do XF-92A com tomadas de ar laterais e impulsionado por uma turbina Pratt&Whitney J57 com pós combustão, e sagrou-se vencedora.F-102A Short Tail 6

Os dez protótipos do YF-102 (Model 8-10) começaram a voar em outubro de 1953. O modelo do já então F-102A atingia a velocidade de 1.325km/h e foram construídas 883 unidades na versão monoplace e 63 TF-102A na versão biplace, de treinamento. Coube ao F-102A Delta Dagger ser o pioneiro em adotar a chamada “regra de área”, que era uma fuselagem mais “acinturada” e esguia , que também era chamada de “Coca Cola Botlle” ou a preferida dos pilotos, que era “Cintura Marilyn Monroe”. Seu aspecto inconfundível o transformou em ícone da Guerra Fria, pois seus mísseis Falcon ou os AIR-2 Genie com ogiva nuclear, o transformavam em uma fantástica e temida plataforma de poder de dissuasão. Prestou relevantes serviços em 26 esquadrões da United States Air Force (Usaf, Força Aérea norte-americana), atuando na Europa, Pacífico e Alasca. Algumas unidades foram enviadas ao Vietnã, onde 15 foram perdidas em virtude de acidentes ou fogo antiaéreo. Apenas um foi abatido no ar, por um MiG 21, quando fazia a escolta de um Boeing B-52 no ano de 1968. As forças aéreas da Grécia e Turquia também foram usuárias do tipo à partir dos anos 70.

F-102A Short Tail 4

F102_4

F-102A Case X- Escala 1/72

Sempre achei que o Convair F-102 na escala 1/72 merecia um kit de primeira linha. Ainda me lembro do seriado de TV de 1962 chamado Steve Canyon, onde o F-102 era o avião de abertura pilotado pelo protagonista e o mais mostrado nas cenas aéreas. É claro que o vetusto modelo da Hasegawa foi um marco em sua época, mas precisava ter um outro molde no mercado, digno dos novos tempos. A empresa asiática Meng, de Hong kong, disponibiliza aos plastimodelistas com o código 003, um estupendo kit do esbelto caça Delta Dagger (Case X), que pode ser decorado em três versões. Finamente moldado em plástico cinza médio, em impecável baixo relevo, este maravilhoso conjunto é composto de 78 peças, sendo 5 transparentes. Para começar, a box art é um belíssimo trabalho, mostrando o Dagger do 431th Fighter Interception Squadron em rota de interceptação, tendo pela frente um solitário bombardeiro estratégico soviético Tupolev TU-95.

11

 

As peças são embaladas em cinco árvores protegidas por plástico, e as partes transparentes tem os mesmos cuidados, evitando riscos nas peças. A fidelidade dos detalhes é impressionante para a escala. As partes internas das portas e trens de pouso, interior do compartimento de mísseis, suporte de armamentos e o assento ejetável, farão com que o modelista mais exigente aplauda o esforço do fabricante em reproduzir os detalhes deste ícone da aviação militar dos anos 50. O interior da turbina, o freio aerodinâmico (que pode ser montado aberto ou fechado), os mísseis AIM-4D e AIM 4C, completam este harmonioso conjunto. Outro ponto alto é o manual de instruções, com a história resumida do modelo, com os passos de montagem muito bem explicados, terminando com o belo esquema de pintura à cores, permitindo ao modelista, optar pela versão que mais lhe agrade. O modelo deste review é o Case X, ou seja, foi a primeira leva de aeronaves em serviço, com a configuração de asas que não permitiam o transportes de cargas sob as mesmas. Já as unidades construídas à partir do número de fabricação 56-1317 a 57- 0909, tinha uma outra configuração de asa (Case XX) que permitiam o transporte de tanques de combustível, cada um com 815 litros. O código do fabricante DS 005, representa a versão “Double X”.Portanto, a chegada deste kit ao mercado mundial é um belíssimo tributo a este inovador interceptador, que durante 20 anos, prestou relevantes serviços ao North American Aerospace Defense Command (NORAD, comando de defesa aeroespacial norte-americano), USAF, Guarda Aérea Nacional e às Forças Aéreas da Turquia e Grécia. Os kits da Revell na escala irregular, o da extinta Frog e o da Hasegawa, agora fazem, definitivamente, parte do passado.