O treinador imortal – North American T-6

5 de abril de 2015 1 Por admin

Por Guilherme Castro

Com toda certeza, o projetista James “Dutch” Kindelberger não poderia imaginar que seu projeto do treinador básico Modelo 16 (NA 16) de 1935, com os aperfeiçoamentos incorporados, se tornaria um mito entre os treinadores militares, tornando-se o imortal North American T-6. Além de treinar, combateu, pois existem relatos de que a versão BC-1 Wirraway, construído sob licença pela Commonwealth Aircraft Corporation australiana, abateu um caça Mitsubishi A6M “ Zero” sobre a Nova Guiné no dia 26 de dezembro de 1942 . Este valente avião, além de instrutor, atuou na função de treinador avançado, observação, patrulha, ataque ao solo, acrobacia em outras funções, sendo que mais 15 mil unidades foram construídas. Se existe um Olimpo para os aviões que foram ícones em suas respectivas épocas, com todo o mérito, o bravo T-6 estará lá entre eles. Reverenciando o imortal T-6 e os milhares de pilotos militares e civis que o solaram, dedico este artigo.

AT-6C_Texans_in_flight_1943

 

1024px-FAC_T-6_with_phosphor_rockets_in_Korea

 

1024px-Harvard_cockpits-001

T-6, Kitty Hawk, 1/32

Com o código 32.001, a fabricante Kitty Hawk lança o único T-6 na escala 1/32 em plástico injetado disponível no mercado. O conjunto é composto de seis árvores de peças moldadas na cor cinza clara, em baixo relevo e uma outra com as partes transparentes. Uma pequena folha de photo-etched com os cintos de segurança acompanha duas folhas grandes de decais e uma pequena com estampas dos painéis de controle. O manual de instruções possui 24 páginas, sendo oito à cores, com os esquemas de pintura, fazem parte deste harmonioso conjunto. Tudo muito bem embalado, em uma caixa apresentando uma bela ilustração. O conjunto de peças é ótimo, com os rebites e placas na escala correta. As 26 peças que formam o conjunto de motor permitem ao modelista mais exigente, incrementar e detalhar esta parte, valorizando ainda mais o seu trabalho. O interior do cockpit e muito bem moldado, permitindo, com o auxilio da folha de photo-etched com os cintos de segurança, um belo trabalho de detalhamento e enriquecimento de detalhes, já que existem muitas publicações a respeito. As superfícies móveis de controle podem ser fixadas conforme o desejo do modelista, dando um toque pessoal na opção de montagem. Vale lembrar que o kit representa o modelo “G”, com a parte transparente traseira sem os reforços de estrutura.

Texan

Infelizmente, há também o problema da posição de encaixe das hastes dos trens de pouso. Obviamente, algum tipo de problema sempre existe, é só lembrar do lançamento do primeiro molde do Gloster Meteor de um renomado fabricante, que teve de ser recolhido para solucionar o problema dos freios aerodinâmicos, inexistente no tipo posto à venda. Mas são pecados veniais que, mesmo assim, não passam batido aos olhos de plastimodelistas mais experientes.

 

OPÇÕES DE MONTAGEM

– Posição das partes transparentes na posição aberta ou fechada;

– Canopi traseiro sem reforço de estrutura (Model T-6G);

– Detalhado motor Wasp R-1340;

– Tubo de escapamento longo ou curto;

– Cobertura frontal do motor para T-6 ou SNJ;

– Cubo da hélice coberto ou não;

– Mastro frontal alongado para versão SNJ;

– Antenas traseiras do tipo Laminar ou ADF (bola de futebol americano);

– Opções de montagem das posições de leme, flaps e ailerons.

 

OPÇÕES DE ARMAMENTOS

Se o desejo for montar o T-6 mais “guerreiro”, existe uma gama de armamentos que acompanham o kit, tais como;

– 2 “Pods” com foguetes de saturação Matra 122;

– 6 foguetes ar- solo do tipo T-10;

– 2 gôndolas com metralhadoras calibre .30;

– 4 bombas de 500 libras.

As opções permitem decorar com marcas da United States Air Force (Usaf, Força Aérea norte-americana), SNJ da US Navy (Marinha norte-americana), do Marines (Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA), Harvard sul-africano, britânico, italiano, canadense e alemão. Obviamente a minha escolha será por alguma das inúmeras pinturas utilizadas pela nossa FAB, podendo ser de instrução, de algum ERA- Esquadrilha de Reconhecimento e Ataque- dos anos 60/70 ou até mesmo, da nossa Esquadrilha da Fumaça, respeitando neste caso, a adição de reforços na estrutura transparente traseira.