Gloster Meteor, HK MODELS, 1/32

Gloster Meteor, HK MODELS, 1/32

16 de fevereiro de 2016 0 Por admin

Por Guilherme Castro

O caça britânico Gloster Meteor teve o privilégio de ser o primeiro avião militar operacional Aliado a ser utilizado na 2ª Guerra Mundial.

4610977431_4b7f043204_b

Seu desenvolvimento começou no início de 1940, graças a tenacidade de Sir Francis Whittle e a sua empresa Power Jets Ltd, que desenvolveu os inovadores motores à jato. O primeiro Meteor fez seu voo de estréia em 1943, mas sua carreira operacional só ocorreu em 27 de julho de 1944, com o 616 Squadron da Royal Air Force utilizando a variante F.1, apelidado de “Meatbox”. Não se tem notícia de nenhum enfrentamento com os jatos alemães durante esse período, até o encerramento das hostilidades. O primeiro protótipo do modelo F.4 decolou em 17 de maio de 1945 , entrando em produção no ano de 1946, sendo o mais sofisticado até então. Este modelo era impulsionado por um par de motores Rolls Royce Derwent 5, superiores aos motores Nene que equipavam os modelos anteriores.

O novo modelo tinha asas mais curtas (87cm) que o modelo F.3, fuselagem mais robusta e cabine pressurizada. Com o aumento de interesse da RAF e outras forças aéreas pelo Meteor, sua produção foi dividida entre as fabricas Gloster e Armstrog Whitworth, pois a Argentina, que tinha um grande saldo favorável na balança comercial com os ingleses, pediu inicialmente, uma encomenda de 400 aeronaves do tipo ao governo de Sua Majestade. Tal quantidade foi rapidamente vetada pelos americanos, pois haveria um desequilíbrio no cone sul, sendo autorizada a venda de 100 unidades em 1947, tornando-se a Força Aérea Argentina a pioneira no uso de jatos militares na América do Sul. Foram construídas mais de 3.950 unidades em todas as suas versões, sendo utilizadas por uma dezena de forças aéreas espalhadas pelo mundo.

A nossa Força Aérea Brasileira adquiriu um lote de 60 unidades na versão mais moderna , do tipo F.8 e 10 de treinamento T.7 em 1952, em um acordo entre governos, onde toneladas de algodão foram a moeda de troca. Foram utilizados até o início dos anos 70.

 

O kit

Já era tempo de algum fabricante lançar um kit na escala grande desta importante aeronave de combate, que fez parte da história da aviação, da transição da hélice para a era do jato. Esta primazia coube a HK – Models , que oferece aos plastimodelistas um belo kit com o código # 01E5. Moldado em plástico cinza claro, em baixo relevo, acompanha um detalhado folheto de instruções e boa folha de decais, que permite decorar o modelo em duas versões; a inglesa do 600 Squadron “City of London” e a versão da Fuerza Aérea Argentina matrícula C-027. Todas as peças são muito bem estampadas, e os rebites em baixo relevo dão ao conjunto um glamour e aparência especial. Há quem diga que as tomadas de ar das turbinas não estejam em conformidade com a escala, que as peças que formam os consoles do cockpit estejam estampadas de maneira incompleta (falta de um ou outro instrumento) e por ai vai. Mas acho que todos esses pecados (se houverem) devem ser relevados, pois as correções serão sanadas com a fabricação de peças resinadas, para os plastimodelistas mais exigentes.

2-HN-Ac-HK-Models-Gloster-Meteor-F4-1.32

A peça que forma o interior que acomoda o trem de pouso do nariz, serve de encaixe para uma peça moldada de chumbo, para fazer peso na parte frontal, evitando que o kit fique empinado, tirando toda a sua originalidade. As peças transparentes, permitem a construção na posição aberta ou fechada. Os freios aerodinâmicos também permitem essa opção. Os porões de rodas são detalhados e os pneus já vem na posição “achatada”, não sendo preciso nenhum tipo de trabalho para tal. Os trens de pouso vem em duas peças que irão envolver as rodas, sendo que tal trabalho, irá requerer um pouco de atenção do montador, para que haja um mínimo de esforço em nivelar as hastes.

Mas, pelo tamanho e beleza do kit e apesar do preço,tudo vale a pena. Só sinto que não tenham lançado a versão F.8, usado pela FAB. Mas, nunca se sabe as surpresas que estão por vir, não é mesmo ?