A-1A Ground Attack Aircraft – HobbyBoss 1/48 – Por Guilherme Castro

A-1A Ground Attack Aircraft – HobbyBoss 1/48 – Por Guilherme Castro

19 de outubro de 2018 0 Por Captain Noodle

EFICIENTE E LETAL – EMBRAER A-1

Projetado para ser o  substituto do Fiat G.91 e dos caros F-104G e derivados, o produto da então chamada AMX International, foi uma cooperação entre a Aeritalia, a Aeromacchi e a brasileira Embraer. Cada parceiro construiu uma parte da aeronave, sendo a primeira montada na Itália para testes de voo em meados dos anos 80. Após a conclusão bem sucedida dos testes, este importante vetor de ataque começou a entrar em serviço praticamente no final dos anos 80, como o A-11 Ghibli com a Força Aérea Italiana e o A-1A monoposto e A-1B biposto na Força Aérea Brasileira. O AMX é capaz de atuar  em altas velocidades subsônicas a baixas altitudes, de dia e de noite, podendo operar  de bases pouco equipadas. Conta com  baixa assinatura em infravermelho o que  melhora  seu percentual de sucesso nas missões. Sua  autodefesa é proporcionada por mísseis integrados e sistemas de contramedidas eletrônicas.
 O batismo de fogo dos AMX foi através dos esquadrões italianos, que voaram 252 missões de combate sobre o Kosovo em 1999 como parte da Operação Forças Aliadas, sem nenhuma aeronave perdida. Em 2011, três aeronaves da base italiana de Trapani, na Sicilia, totalizaram 500 horas de voo em missões na Líbia, entre os meses de abril e outubro, a serviço da OTAN. Aproximadamente 200 aeronaves foram construídas. É um vetor de suma importância no inventário da Força Aérea Brasileira.

 

A-1 HOBBYBOSS ESCALA 1/48

Este simpático e bem vindo kit da HobbyBoss é composto de  oito sprues de plástico cinza, em baixo relevo, um sprue claro com as partes transparentes, uma pequena folha em photo etched ( com apoio de mira, cintos de segurança, etc) , pneus de borracha, e duas folhas de decalque, sendo uma para fazer duas versões da FAB e uma para os armamentos. Como de praxe, iniciei a  construção pelo habitáculo de pilotagem com o  assento de ejeção ,  painel de instrumentos e a coluna de controle. Apliquei primer e posteriormente a cor cinza médio, com a estrutura do assento ejetável na cor preta.

 As metades das fuselagens foram limpas das hastes dos sprues ( que são muito grossas ) para a colagem das entradas de ar, juntamente  com as luzes de navegação/formação. As peças que completam o interior que abrigam os trens de pouso foram pintados na cor branca ( assim como as hastes  e cubos das rodas ), sendo coladas à cada metade de fuselagem antes de seu fechamento.  O HUD foi anexado à capota do instrumento, que é então montado na frente do cockpit. 

Fechar as peças que formam a fuselagem é tranquilo, tomando o cuidado para  não esquecer de adicionar um pouco de peso no nariz, evitando surpresas de posicionamento correto do modelo.

O próximo passo foi  montar  as asas que  vêm com os ailerons e freios  separadas, o que é bom, podendo  ser posicionado aberto ou fechado. As asas em si são uma parte única, com bom encaixe na fuselagem.

Mesmo com a  opção de manter a parte transparente aberta, como o modelo foi construído  ( juntamente com outros seis, montados pelos amigos do GPPSD ) para serem doados à Unidade da Base Aérea de Santa Maria que opera o A-1, resolvi , por uma questão de praticidade de manuseio, conservar o canopi  fechado. Isolar as partes transparentes e uma boa mão de primer para verificação de algum erro de montagem e preparar o modelo para  a pintura foi o próximo passo. O topo da deriva e o cone do radar, algumas antenas  na cor preta e a parte frontal dos canhões e as tomadas de ar laterais na cor alumínio foram as primeiras a serem pintadas e deixadas para secar. Antes de aplicar  as cores principais do modelo, fiz um pré escurecimento das junções das chapas na cor preto fosco, para dar um leve tom de uso da aeronave. O primeiro tom a ser aplicado foi na parte inferior e laterais, sendo usada a cor FS- 36493 Cinza Claro, que depois de secar por duas horas, foi isolada as partes devidas com tape apropriado, sendo que a cor FS- 36187 Cinza Escuro foi o complemento da camuflagem. Depois de tirar as máscaras protetoras de pintura, fiz uns leves efeitos sobre todo o modelo, com cores mais claras, para dar uma leve aparência de uso operacional. O equipamento militar escolhido foram 4 bombas MK 82 ( no kit só vem duas, mas pedi emprestado as que sobraram de um amigo do grupo de montagem ), que foram pintadas na cor Verde Oliva, com faixas amarelas frontais. Antes de aplicar os decais, fiz um leve ” wash “ nas linhas de painéis e sujei um pouco as pernas dos trens de pouso com pó de giz pastel cinza, mas nada exagerado. Os decais aplicados foram os recomendados para a variante cinza, que foram mudados os números de cauda ( ao invés de ser o FAB 5506, ficou o 5541, que usou esse tipo de cinza um pouco mais carregado ). Por ultimo, adicionei os faróis localizados nos trens de pouso e a sonda de reabastecimento. Uma boa mão de verniz selou todo o trabalho. Depois, foi só retirar as máscaras que protegiam a cobertura da cabine e curtir o A-1 pronto. É um belo kit, com bons encaixes e muito bom de montar, transformando as horas consumidas na montagem e pintura, em momentos de diversão e relax.